terça-feira, 26 de maio de 2015

O Conhecimento...

Futura comerciais - Não são as respostas que movem o mundo, são as pergu...

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Racionalismo

Segundos anos

Depois das discussões feitas em sala de aula, e exercícios propostos assista o filme abaixo depois responda as questões abaixo:




1-Qual é a principal diferença entre o racionalismo e o empirismo? Faça um esquema para demonstrar sua resposta.

2- Em que consiste a prova ontológica da existência de Deus Segundo Descartes?




Estes são os Direitos Humanos


DOCUMENTO OFICIAL
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

Artigo 1.º
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.
Artigo 2.º
Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, origem nacional ou social, fortuna, nascimento ou outro estatuto.
Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autônomo ou sujeito a alguma limitação de soberania.
Artigo 3.º
Todas as pessoas têm direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.
Artigo 4.º
Ninguém pode ser mantido em escravidão ou em servidão; a escravatura e o comércio de escravos, sob qualquer forma, são proibidos.
Artigo 5.º
Ninguém será submetido a tortura nem a punição ou tratamento cruéis, desumanos ou degradantes.
Artigo 6.º
Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento como pessoa perante a lei.
Artigo 7.º
Todos são iguais perante a lei e, sem qualquer discriminação, têm direito a igual proteção da lei. Todos têm direito a proteção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.
Artigo 8.º
Todas as pessoas têm direito a um recurso efetivo dado pelos tribunais nacionais competentes contra os atos que violem os seus direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei.
Artigo 9.º
Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado.
Artigo 10.º
Todas as pessoas têm direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública julgada por um tribunal independente e imparcial em determinação dos seus direitos e obrigações e de qualquer acusação criminal contra elas.



fonte: Youtube.com.br 

Projeto: Direitos Humanos para que?

Bom dia !!!


Quando assistimos a TV  verificamos que infelizmente hoje no  Brasil os direitos humanos ainda está bem distante de ser atingido. Desta forma, é quase que uma obrigação dos educadores abordarem este tema aos adolescentes para que eles possam compreender que toda a forma de crueldade humana deve ser combatida.

Mas é fato do dia, que a discussão sobre a maioridade penal toma conta das mídias,  é a reivindicação dos políticos do momento. O que de fato a educação faz para mostrar a juventude a obrigação moral de combater a violência, lutar para manter a dignidade do outro, diminuir o preconceitos ?

Pensando nisto, eu elaborei um projeto para ser desenvolvido com os alunos do terceiros anos do ensino médio, mas que também pode ser apreciado a alunos de 9 anos, pois, vem de encontro ao conteúdo de historia para estes anos.

Eu acredito que podemos juntos chegar a uma juventude mais humana !

Professora Alice Tonelotto

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Situação de aprendizagem 2- Da distinção entre o conhecimento puro e o empírico

Da distinção entre o conhecimento puro e empírico

Não há duvida de que todo o nosso conhecimento começa com a experiência; pois de que outro modo poderia a nossa faculdade de conhecimento ser despertada para o exercício, não fosse por meio de objetos que estimulam nossos sentidos e, em parte, produzem representações por si mesmos, em parte colocam em movimento a atividade de nosso entendimento, levando-a a compará-las, conectá-las ou separá-las e, assim  transformar a matéria bruta das impressões sensíveis em um conhecimento de objetos chamado experiência? No que diz respeito ao tempo, portanto, nenhum conhecimento antecede em nós à experiência, e com esta começamos todos.

Ainda, porém, que todo nosso conhecimento comece com a experiência, nem por isso surge ele apenas da experiência. Pois poderia bem acontecer que mesmo o nosso conhecimento por experiência fosse um composto daquilo que recebemos por meio de impressões e daquilo que nossa própria faculdade de conhecimento (apenas movida por impressões sensíveis) produz por si mesma; uma soma que não podemos diferenciar daquela matéria básica enquanto um longo exercício não nos tenha tornado atentos a isso e aptos a efetuar tal distinção.

Aquela expressão não é suficiente determinada, contudo, para designar de maneira adequada o sentido integral da questão posta. Pois, se costuma dizer, de muitos conhecimentos derivados de fontes da experiência. Assim, diz-se de alguém que solapou os fundamentos de sua casa que ele poderia  saber a priori  que ela cairia, i.e., ele não precisava esperar pela experiencia em que ela de fato caísse. Inteiramente a priori, contudo, ele não poderia mesmo sabê-lo. Pois teria que aprender antes, por meio da experiência, que os  corpos são pesados e, por isso, caem quando lhes é retirado o suporte.

No que segue, portanto, entendermos por conhecimento a priori  aqueles que se dão não independentemente desta ou daquela, mas de toda e qualquer experiência. A eles se supõe os conhecimentos empíricos ou aqueles que só são possíveis a posteriori,  i.e, por meio da experiência.


KANT, Immanuel, Crítica da Razão Pura. tradução Fernando Costa Matos.







Qual é a ideia principal, ou tese do texto ?




Situação de Aprendizagem -1 Caderno do aluno

Texto- Leitura e análise

Ao considerarmos  que o conhecimento de qualquer tipo  é algo a ser honrado e valorizado, um tipo que talvez seja, em razão de sua maior exatidão ou por dizer respeito a objetos mais  belos e elevados, digno de maior valor do que qualquer outro, em ambos os casos deveríamos naturalmente colocar o estudo da alma em primeiro lugar. O conhecimento da alma certamente contribuí muitíssimo para o avanço da verdade em geral e acima de tudo, para a nossa compreensão da natureza, já que a alma é, em certo sentido, o princípio da vida animal. Nosso objetivo é captar e compreender primeiro sua natureza essencial e segundo, suas propriedades desta, algumas são compreendidas como afetos próprios da alma em si, enquanto outras são consideradas como sendo ligadas ao animal, já que este a carrega em si mesmo.

Aristóteles. Da Alma.

Após a leitura do texto, responda: Qualé a importância do estudo da alma?








Assista o video acima


Leitura e análise do texto


Pois nada mais faço  do que  persuadir a todos, jovens e anciãos, a não se preocuparem com si mesmos ou com suas posses, mas acima de tudo e principalmente a se preocuparem com mais profundo aperfeiçoamento da alma. Digo a vocês que a virtude  não é  dada pela riqueza, mas que, de fato, a virtude gera riqueza e também todos os bens dos homens, públicos e também privados.

1- sublinhe as palavras do texto que você desconhece.

2- responda as questões da apostila e  caderno do aluno, paginas 8, 9 e 10.


Responda as questões da lição de casa, um pequeno texto.