domingo, 15 de maio de 2016

Casa apoia os Moradores de Rua

Um problema social, os sem-teto existem em praticamente todos os países. Temos visto um grande aumento destas populações devido à crise econômica na Europa e EUA e agora também no Brasil. Sem qualificação para o trabalho, muitos desempregados perdem o direito a moradia e passam a viver nas ruas, criando assim um contingente populacional, e muitos acabam se entregando às drogas e ao alcoolismo, pois não vislumbram uma possibilidade de reinserção social, à curto prazo.
O fato de uma cidade ter casas de apoio à estas pessoas não faz com que este contingente populacional aumente, isto é um mito. Este contingente vem aumentando de forma assombrosa nos últimos anos principalmente devido ao fácil acesso às drogas pela nossa juventude, que aliada à baixa situação educacional, à falta de emprego e o preconceito junto às suas famílias acabam sendo abandonadas à própria sorte. Em nossa cidade há muitos moradores de rua que são suzanenses e estão nas ruas desde a idade de nove a dez anos. Hoje alguns contam com vinte e nove anos de idade.
Precisamos observar o preconceito que carregamos dentro de nós à respeito destes moradores, há uma necessidade não só de casas de apoio, para alimentação e higiene, mas também um trabalho de prevenção, pois o contingente de dependentes químicos que estão dia a dia sendo criados dentro da cidade é imenso, e sabemos que muitas famílias sem condições de lidar com este problema acabam abandonado seus filhos.
A Casa Madre Tereza é uma casa de apoio às estas pessoas que já viviam pelas ruas da nossa cidade há anos e que muitos da sociedade procuram não enxergar, ela procura manter este moradores limpos e alimentados para que consigam se reestruturar. Ela não criou esta desigualdade e a sua existência não aumentará esta população, mas ela hoje faz uma grande diferença na vida destas pessoas, apoie o trabalho da casa em suas orações diárias, seja verdadeiramente um cristão.

 Alice Tonelotto.

 Filósofa
 Atua como professora no Estado de São Paulo, voluntária na casa Madre Tereza de Calcutá, com  roda de conversa aos moradores de rua, oficina de leitura e inserção social.

O que podemos dizer de uma vida sem um teto?

Exposição mostra a vida difícil de vários refugiados pelo mundo, muitos perderam sua casa por causa da guerra.




































Assim como eles pelo mundo,  nós  temos outras situações  onde pessoas perdem o direito a moradia e passam a viver pelas ruas e necessitam de um suporte, um abrigo. Assim como a Suíça, aqui no Brasil temos vários trabalhos que amparam as pessoas que por infelicidade perderam suas casas passando a viver na sociedade sem um teto. E você ja conseguiu enxergar um morador de rua?



segunda-feira, 25 de maio de 2015

Racionalismo

Segundos anos

Depois das discussões feitas em sala de aula, e exercícios propostos assista o filme abaixo depois responda as questões abaixo:




1-Qual é a principal diferença entre o racionalismo e o empirismo? Faça um esquema para demonstrar sua resposta.

2- Em que consiste a prova ontológica da existência de Deus Segundo Descartes?




Estes são os Direitos Humanos


DOCUMENTO OFICIAL
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

Artigo 1.º
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.
Artigo 2.º
Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, origem nacional ou social, fortuna, nascimento ou outro estatuto.
Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autônomo ou sujeito a alguma limitação de soberania.
Artigo 3.º
Todas as pessoas têm direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.
Artigo 4.º
Ninguém pode ser mantido em escravidão ou em servidão; a escravatura e o comércio de escravos, sob qualquer forma, são proibidos.
Artigo 5.º
Ninguém será submetido a tortura nem a punição ou tratamento cruéis, desumanos ou degradantes.
Artigo 6.º
Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento como pessoa perante a lei.
Artigo 7.º
Todos são iguais perante a lei e, sem qualquer discriminação, têm direito a igual proteção da lei. Todos têm direito a proteção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.
Artigo 8.º
Todas as pessoas têm direito a um recurso efetivo dado pelos tribunais nacionais competentes contra os atos que violem os seus direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei.
Artigo 9.º
Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado.
Artigo 10.º
Todas as pessoas têm direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública julgada por um tribunal independente e imparcial em determinação dos seus direitos e obrigações e de qualquer acusação criminal contra elas.



fonte: Youtube.com.br 

Projeto: Direitos Humanos para que?

Bom dia !!!


Quando assistimos a TV  verificamos que infelizmente hoje no  Brasil os direitos humanos ainda está bem distante de ser atingido. Desta forma, é quase que uma obrigação dos educadores abordarem este tema aos adolescentes para que eles possam compreender que toda a forma de crueldade humana deve ser combatida.

Mas é fato do dia, que a discussão sobre a maioridade penal toma conta das mídias,  é a reivindicação dos políticos do momento. O que de fato a educação faz para mostrar a juventude a obrigação moral de combater a violência, lutar para manter a dignidade do outro, diminuir o preconceitos ?

Pensando nisto, eu elaborei um projeto para ser desenvolvido com os alunos do terceiros anos do ensino médio, mas que também pode ser apreciado a alunos de 9 anos, pois, vem de encontro ao conteúdo de historia para estes anos.

Eu acredito que podemos juntos chegar a uma juventude mais humana !

Professora Alice Tonelotto